Wonder Woman #2 - New 52

- sábado, 29 de outubro de 2011
A trama estabelecida na primeira edição continua a se desenvolver na edição número #2 com a dissensão entre os membros do panteão grego. Para uma amante da mitologia grega, essas revistas estão me satisfazendo bastante.

Hera faz sua aparição e é retratada de uma forma bem tradicional. Apesar de Zeus, muitas vezes ter lhe dado razões para estar irritada e de ir em busca de retaliação, muitas vezes ela levou as coisas longe demais, punindo as pessoas que estavam inconscientemente envolvidas nos planos de Zeus . Vemos o mesmo tipo de representação aqui.

Hermes ainda aparece, mas depois de ter sido gravemente ferido ele não tem um papel muito ativo nesta revista. Apolo apareceu na primeira, mas não apareceu nessa segunda. Fico imaginando o que ele está aprontando, mas sua ausência não prejudicou muito a história, só me deixou curiosa.

Mais um membro do Olimpo entra no conflito (ela está na capa). A Mulher-Maravilha se refere a ela como Strife, o que me remete a Eris, porém Strife diz que é irmã de Ares, o que me parece que eles estão usando a versão homérica de Éris da obra "Ilíada", a deusa da discórdia que era irmã de Ares.

De qualquer forma, sua presença causa muita tensão, e como ficou claro, acredito que ela se tornará um vilão importante neste arco. Tal como acontece com todas as divindades retratadas, ela é bem caracterizada e passa a sensação de ser um personagem bastante profundo.

O roteiro está excelente. A arte de Chiang captura bem a ação. Estou tão feliz por estar acompanhando essa versão de Diana como a Mulher-Maravilha. Ela poderá finalmente obter o respeito que merece.

- quarta-feira, 26 de outubro de 2011


Minnie - nº 3
"Mais frio que o gelo"

Minhas Impressões: Quadrilogia Alien - Ressurection (1997)

* Alerta de Spoiler: Este post discute livremente elementos de toda a trama do filme. Aqueles que não viram o filme e querem o ver antes, são encorajados a regressar depois de tê-lo visto. *


Alien, brilhante filme de Ridley Scott de 1979, pegou o conceito de casa assombrada e transportou para o espaço exterior, onde uma criatura feita de fúria, inimaginável e mortal percorria os corredores escuros de uma nave espacial, aniquilando os tripulantes um por um. Depois, James Cameron elevou a premissa para um novo nível, criando uma aventura que era tão emocionante quanto Terminator 2 (dele também). A personagem Ripley permaneceu intacta, havia um subtexto emocional e as criaturas eram ainda mais assustadoras. Cameron fez quase o impensável.

Infelizmente, Alien³ mostrou que era incapaz de manter essa tendência. Com seu roteiro fraco e confuso e personagens mal desenvolvidos, foi desfazendo a série de filmes Alien. Alien³ foi óbvio e até o clímax chocante, que contou com a morte de Ripley, foi incapaz de gerar envolvimento. Durante anos, parecia que não haveria mais Aliens. Então, em 1996, começou a pré-produção de Alien "A Ressurreição", e, infelizmente (novamente), ele não conseguiu chegar perto do que foram o primeiro e segundo filme.


Em "Alien Resurrection" Ripley (Sigourney Weaver) ainda é a heroína, apesar de 200 anos se passarem desde de Alien³. Só que ela não é bem a Ripley que conhecemos. Ela foi clonada: o filme começa com cirurgiões removendo um alien de seu ventre. Agora como o alien entrou lá não está totalmente explicado, seria muito grata se um dia eu conseguisse entender isso ou se alguém me explicasse como isso aconteceu.

O nascimento ocorre em uma nave. O governo espera utilizar o clone para reproduzir mais estrangeiros, e usá-los para... guerra, desenvolvimento de vacinas, medicamentos,...? Isso nao fica muito claro.

O filme é um pouco vago sobre Ripley: Ela é humana, ou que ela tem uma estrutura genética misturada com a de aliens? Porque ela tem sangue ácido! Como uma estrurura humana pode suportar ácido correndo em suas veias? Por um tempo nós nos perguntamos de que lado ela está. Ela ri das esperanças da humanidade de explorar as criaturas: "Ela é uma rainha, você vai morrer." 


Temos uma equipe nova, incluindo Call (Winona Ryder). Ryder é uma atriz maravilhosa, uma das mais talentosas de sua geração e eu amo seu trabalho, e acho que ela e Weaver foram os únicos pontos positivos do filme. Ver as duas atuando juntas foi realmente gratificante.

Sigourney Weaver e Winona Ryder
Muitos dos aspectos sutis da personalidade de Ripley foram apagadas. Ela é dura e amoral. Apenas em uma ocasião, quando ela encontra seus irmãos clones mal formados e descartados, podemos ter uma sensação de que esta é realmente Ripley. Essa cena em particular é assustadora, dolorosa e horripilante.
Johner Ron Perlman
Os personagens coadjuvantes são genéricos e sem vida. Com exceção de Johner Ron Perlman, que é um soldado deliciosamente grosseiro. Sua atitude e seu comportamento me lembrou um pouco do Hudson Bill Paxton, em Aliens. Perlman contribuiu para que Alien Resurrection não fosse tão desagradável.

Clone de Ripley e o Alien-humano
Falando em desagradável, o que posso falar das cenas do alien-humano (humano-alien)? Perturbadora, como a maior parte do filme. É um filme que você assiste e descarta. Pelo menos foi essa a minha sensação. É análogo, por exemplo, a sequência de Jurassic Park, o Jurassic Park "The Lost World"... Depois que você o assistiu, quantas vezes você pensou nele?

E chegam ao fim os meus comentários a respeito da quadrilogia Alien!

Alien (1979);
Aliens (1986);
Alien³ (1992);
Alien Ressurection (1997).

Bruce Willis: The Return of Bruno

- sexta-feira, 14 de outubro de 2011
Frente

"The Return of Bruno" (O retorno de Bruno) é um filme de 1987, originalmente exibido como um especial de uma hora na HBO e mais tarde lançado em VHS. Foi estrelado por Bruce Willis que interpreta seu alter ego fictício "Bruno Radolini", um cantor de blues. Muitos músicos famosos como Elton John, Phil Collins e Ringo Starr aparecem no filme (como eles mesmos), em homenagem ao Radolini. Todas as canções vêm de álbum de Bruce Willis, "The Return of Bruno". Quem me apresentou dois CD's de Bruce Willis foi meu colega Daniel Albert. Mais tarde descobri que esse CD citado aqui estava ligado a este filme. Eu gosto tanto de ouvir Bruce cantando. Ele é um homem multitalentoso e um dos meus atores favoritos. Vídeo "Comin' Right Up":




Verso

Minhas Impressões: Quadrilogia Alien - Alien³ (1992)

- sexta-feira, 7 de outubro de 2011
* Alerta de Spoiler: Este post discute livremente elementos de toda a trama do filme. Aqueles que não viram o filme e querem o ver antes, são encorajados a regressar depois de tê-lo visto. *


Alien³ foi dirigido por David Fincher (Se7en, O Quarto do Pânico) e escrito por David Giler (Alien, Aliens), Walter Hill (Aliens) e Larry Ferguson (Highlander, Caçada ao Outubro Vermelho), com base numa história de Vincent Ward e nos personagens criados por Dan O'Bannon e Ronald Shusett. Ou seja, o filme tem uma equipe de escritores de peso. Resta saber se realmente é bom, vejamos...

Os créditos de abertura são devastadores, especialmente se você é um fã dos dois primeiros filmes (Alien e Aliens). Antes do filme começar, mesmo depois de tudo o que Ripley (Sigourney Weaver) lutou, mesmo depois de sua luta tremenda contra hordas de guerreiros alienígenas e a sua rainha Alien enorme no último filme e o resgate emocionante de sua filha adotiva, Newt, você vê que foi tudo por nada. Enquanto ela, Newt, o cabo Hicks e o androide Bispo estavam em sono criogênico, vemos um parasita a bordo atacando aos tripulantes adormecidos.

Os danos causados ​​pelo super-ácido do parasita provoca um incêndio elétrico a bordo da nave que é completamente automatizada e o computador acaba direcionando a nave para o mundo habitado mais próximo em sua rota de vôo. O texto da tela do computador nos diz que este planeta é o lar de uma refinaria de minério e de "duplos cromossomos Y", que fazem parte de um sistema de trabalho correcional. Os homens que nascem com dois cromossomos Y têm uma tendência para crimes violentos. Em outras palavras esta é uma colônia de mineração onde criminosos extremamente violentos são usados para trabalho escravo.

... Ou pelo menos costumavam ser utilizados. A Corporação Weyland-Yutani (referida em todos os filmes como "A Empresa") costumava ter uma instalação de 5.000 prisioneiros, mas aparentemente não era rentável. Eles desligaram o Programa, mas deixaram para trás uma equipe mínima de 25 ex-prisioneiros para manter a infra-estrutura, no caso de decidirem fazer algo com eles depois. Estes prisioneiros, quase todos "duplo Y", fundaram uma religião e não desejam regressar à sociedade.

Ripley é a única sobrevivente do acidente e única mulher em um planeta de homens que não vêem mulheres a muito tempo. Quando acorda, lhe é dada a má notícia. Uma das coisas que admiro em Sigourney Weaver é que ela se adapta de uma maneira incrível a cada fase que a sua personagem passa.

O Superintente Andrews e seu assistente o Sr. Aaron informam à Ripley que sua presença será muito perturbadora para os homens e ela não pode ir a qualquer lugar sem ser com escolta. Além disso, ela é obrigada a raspar a cabeça, por causa de uma "epidemia de piolhos" entre os prisioneiros. Uma mensagem sobre o ocorrido é enviada para a empresa e uma equipe de resgate é esperada em uma semana.


Quando Ripley inspeciona a nave tombada, vê as marcas de queimadura nos tubos de sono, então insiste em realizar uma autópsia em Newt. A autópsia de Newt não revela nada, mas dentro da nave um cão é atacado pelo parasita.

Ripley encontra um amigo, o médico Clemons, mas ela mantém os detalhes de sua vida em segredo. Quando as pessoas começam a morrer ou simplesmente desaparecerem, Ripley sabe o que está acontecendo. Ela mal tem tempo para dizer ao pessoal descrente o que está acontecendo quando ela mesma é confrontada com o alien. Mas ele a deixa ilesa. Por quê?

Mudando um pouco o foco, devo comentar aqui que esse filme mostra que a forma do Alien depende do seu hospedeiro. Como no caso o Alien veio de um cão, sua forma é diferente. Também devo comentar que através de todos os filmes Ripley é uma rocha. Mesmo que ela esteve um pouco perdida emocionalmente no início de "Aliens", ela ainda manteve-se firme e enfrentou seus piores medos. Mas este filme é sobre seus piores medos se tornando reais. É uma partida a partir do tema horror/ação dos dois primeiros filmes e realmente testa a profundidade da personagem Ripley. Mesmo em face à tragédia empilhada sobre tragédia, ela consegue manter-se forte.

Eu gostei deste filme, mesmo que ele tenha tido alguns problemas. As razões para Alien³ ser admirado estão no fato de que os criadores deste filme tentaram fazer o terceiro filme da série tão diferente dos dois anteriores quanto o possível. Alien³ foi o primeiro longa-metragem de David Fincher, diretor conhecido por seus comerciais e vídeos, em que ele demonstrou sua sensibilidade artística criando um mundo escuro e deprimente que é igualmente fascinante. As mesmas técnicas serviria muito bem a carreira de Fincher. Finalmente, a razão básica pela qual Alien³ é admirado está na escuridão e desolação deste filme que é levado ao extremo.


Porém Alien³ parece falso e pouco convincente, porque a história e os personagens devem sacrificar tudo, incluindo a plausibilidade e senso comum , a fim de conseguir terminar o mais infeliz possível.

Nos dois filmes anteriores Ripley era uma profissional inteligente e engenhosa que se importava com a vida das pessoas ao seu redor. Em Alien³, desde o início, ela tem poucos motivos para permanecer viva e ainda menos razões para se preocupar com as pessoas ao seu redor.

Alguns poderão argumentar que Alien³ é injustamente criticado, porque a maioria das queixas vêm daqueles apaixonados pelos dois filmes anteriores. Como um filme independente, com os espectadores não familiarizados com Scott e as obras-primas de Cameron, Alien³ poderia ser, pelo menos, apreciado como exemplo raro de filme que quebra convenções. Infelizmente, a sua ligação com a série é inevitável!


O problema está dentro do enredo fraco e cheio de buracos: os personagens fazem coisas que não fazem sentido dentro do contexto da história e os personagens principais morrem antes que possam cumprir o seu propósito. No entanto, o roteiro ainda embala algumas coisas legais, e não é tão medíocre quanto o último filme da quadrilogia, Alien: Resurrection. Mas isso fica para outro post...

Liga da Justiça, por Bruce Timm

- sábado, 1 de outubro de 2011

Back to Home Back to Top