- segunda-feira, 29 de novembro de 2010


Se eu sair agora, eles ganham.


:)

- X-Files - Dana Scully [Gillian Anderson] -

C-3PO e R2-D2

Minhas impressões: Criacionismo vs. Evolucionismo

- sexta-feira, 26 de novembro de 2010



O criacionismo é intrinsecamente religioso. É a crença de que o universo foi criado por uma divindade - depois disso, existe uma variedade de explicações entre os criacionistas para justificar aquilo que acreditam. Alguns dizem que um deus simplesmente criou o universo e depois o deixou sozinho. Outros acreditam em uma divindade que tem estado ativamente envolvida com o universo desde sua criação. Porém criacionismo não é ciência.

O criacionismo é meramente uma questão epistemológica - uma questão que apresenta fatos e uma compreensão sobre estes. E nesse contexto, reivindicações sempre são absolutamente fundamentais.

Quase todos os criacionistas podem ser teologicamente classificados como pré-milenistas (os que acreditam que Jesus virá em breve e reinará sobre o mundo antes do Juízo Final), pós-milenistas (que acreditam que Jesus virá mais tarde) e milenistas (que pensam que já estamos vivendo em uma era dominada por Jesus).

Os pós-milenistas dizem que estão preparando as coisas e preparando a si mesmos para Jesus - e daí, se envolvem em ações sociais e similares com esse intuito. Os pré-milenistas acham que não há mais nada que possamos fazer para melhorar o mundo, por isso devemos apenas nos preocupar com nós mesmo para ficarmos prontos para Jesus e isso influenciará as pessoas ao redor, isso significa que o comportamento individual gera a conversão dos outros. Os pré-milenistas portanto, incluem grande parte da parcela daqueles que se dizem criacionistas, e defendem aspectos como a santidade da família (que hoje engloba anti-aborto), a ortodoxia sexual (especialmente anti-homossexualismo), sancionando punições bíblicas.

É absolutamente vital compreender como funciona a moral dentre estas correntes, pois esta moral é parte integrante do criacionismo, e a ausência da moral indica castigos (lembrar das inundações, arca, etc...).

Nesse contexto criacionista, surge o "criacionismo científico". Alguns criacionistas afirmam que o criacionismo é científico e cada vez mais essa nova corrente adquire mais adeptos. Mas afinal, criacionismo é Ciência?

Quais são os critérios da Ciência?



A Ciência é:

* Consistente (internamente e externamente);
* Parcimoniosa (econômica nas entidades propostas e em suas explicações);
* Útil (descreve e explica os fenômenos observados);
* Testável e falsificável (empiricamente);
* Tem base em experimentos controlados e repetidos;
* Corrigível e dinâmica (as alterações são feitas conforme novos dados são descobertos);
* Progressiva (alcança todas as teorias anteriores);
* Baseada em tentativas e erros (admite que pode não estar correto, em vez de afirmar com certeza).

Ok, agora que sabemos quais são os pilares e as principais características da Ciência, podemos indagar:

* Criacionismo é logicamente consistente?

O criacionismo é, internamente, coerente e lógico, no âmbito religioso no qual atua. O maior problema com a sua consistência é que o criacionismo não tem limites definidos: existe nenhuma maneira clara de dizer que qualquer dado específico é ou não relevante para a tarefa de verificação ou falsificação no criacionismo. Quando você lida com o sobrenatural, tudo é possível. Uma conseqüência disso é que nenhum teste para o criacionismo pode ser relacionado à matéria.

* Criacionismo é parcimonioso?

Não. O criacionismo falha no teste da "Navalha de Occam" (princípio lógico), porque existe a adição de entidades sobrenaturais em uma equação lógica quando estes elementos não são necessários para explicar os acontecimentos, violando o princípio da parcimônia. Este princípio é importante porque é muito fácil as idéias escorregarem em teorias, confundindo, dessa maneira a questão. A explicação mais simples pode não ser sempre a mais precisa, mas é preferível, a não ser que razões muito boas sejam oferecidas.

* Criacionismo é útil?

Para ser "útil" na Ciência, uma teoria deve explicar e descrever os fenômenos naturais, mas o criacionismo não é capaz de explicar e descrever os eventos na natureza. Por exemplo, o criacionismo não consegue explicar porque as mudanças genéticas são limitadas à microevolução dentro da espécie. A verdadeira explicação expande nosso conhecimento e compreensão dos acontecimentos.

* Criacionismo é empiricamente testável?

Não. O criacionismo não é testável porque viola uma premissa básica da ciência: o naturalismo. O criacionismo se baseia em entidades sobrenaturais, que não são apenas não-testáveis, mas como também nem sequer são descritíveis. Ele não fornece nenhum modelo que possa ser usado para fazer previsões, não prevê qualquer problema científico em que os cientistas possam trabalhar e não fornece um paradigma para a resolução de outros problemas.

* O criacionismo é baseado em experimentos controlados e repetidos?

Não existem experiências que já foram realizadas que possam demonstrar a verdade do criacionismo ou sugerir que a teoria evolutiva é fundamentalmente falha. O criacionismo não se originou de uma série de experimentos que produziram resultados anômalos. O criacionismo desenvolveu-se das crenças religiosas dos fundamentalistas e cristãos evangélicos nos EUA, isso é fato.

* Criacionismo é corrigível?

Não. O criacionismo diz ser a verdade absoluta, que está escrito na Bíblia e pronto. Para o criacionismo, não existe uma avaliação provisória dos dados que possam vir a mudar quando novas informações são descobertas. Quando você acreditar que você já tem a verdade, não há possibilidade de correção e dessa maneira não há mais razão para se procurar mais dados ou evidências. As únicas mudanças reais que ocorreram no movimento criacionista foram tentativas de empurrar os argumentos bíblicos mais e mais para "debaixo do tapete", a fim de dar ao criacionismo um olhar mais científico.

* Criacionismo é progressivo?

Em um sentido o criacionismo pode ser considerado progressivo se você diz "Deus fez isso" para explicar todas as informações anteriores, bem como dados previamente inexplicáveis, mas em qualquer sentido prático, o criacionismo não é progressivo: ele não explica ou expande o que veio antes e não é coerente quando estabelece teorias auxiliares.

* O criacionismo segue o método científico?

Absolutamente não. Primeiro, a hipótese/solução não é baseada na análise e observação do mundo empírico - elas vem diretamente da Bíblia. Em segundo, porque não há nenhuma maneira de testar essa teoria. O criacionismo não pode seguir o método científico, pois o teste é um componente fundamental no método.



O termo "Criacionismo Científico" é, obviamente, um oxímoro (paradoxo). 'Ciência' depende da observação e análise de fenômenos para gerar hipóteses que espera-se explicá-los. 'Criacionismo' começa a partir da premissa de que uma criação divina ocorreu conforme revelado em livros religiosos, e não há, portanto, necessidade de testar .

A "ciência" envolvida no criacionismo científico consiste na coleta de dados para apoiar a afirmação original da criação divina e - em muitos aspectos para minar a teoria da evolução.

Isso não corresponde à definição usual da ciência como já visto, mas ela impressiona os fiéis, garantindo-lhes que "ciência" - visto por muitos como a última autoridade para qualquer declaração não-religiosa - confirma sua religião!

O chamado criacionismo científico tornou-se o desafio fundamentalista para a visão ortodoxa. O bicho-papão particular dos fundamentalistas é a evolução, especialmente a evolução da humanidade, e é isso que eles atacam com especial vigor, mas aproveitam a evidência arqueológica para apoiar a alegação de que a Bíblia é inerrante e que "as contas" da criação está correta em cada detalhe.

Assim, a datação por radiocarbono que confirma a existência de um reino edomita (que deu origem aos hebreus) antes de 1000 aC, confirma relatos bíblicos e derrubam a opinião ortodoxa anterior, e é apresentada como evidência para a confiabilidade do livro Gênesis pelos criacionistas, o que é um argumento completamente falacioso.

Evolução!

... É um princípio fundamental da biologia moderna, que afirma que todos os seres vivos estão interligados, porque todos eles compartilham uma origem comum, um ancestral comum. Em outras palavras, todos os seres vivos evoluíram!

É um erro comum achar que a evolução significa que os organismos se tornam mais complexos ao longo do tempo: a idéia de que a evolução é um progresso rumo à formas "superiores" é uma visão peculiar do período vitoriano e que foi demolida no século XX. Assim, não há mistério sobre o fato de formas "simples" e "complexas" (ou "primitivas" e "evoluídas") estarem vivendo ao mesmo tempo, no mesmo período.

Os criacionistas mostram sua ignorância de como a evolução funciona quando eles muitas vezes perguntam: "por que os macacos ainda convivem com os seres humanos se nós descendemos dos macacos?". O Homo sapiens não descende de nenhuma espécie de macaco viva hoje, mas sim, compartilha uma origem comum, como foi dito por Darwin há muitos anos.

O ponto de vista criacionista é uma posição teológica, não uma teoria científica, porque não está baseada em provas que podem ser debatidas, mas sim por uma convicção religiosa que não pode "estar errada". Criacionismo científico não é, portanto, ciência. O ponto de vista criacionista trata de dogmas religiosos.



Para quem quiser ler mais sobre o assunto, indico: Sobre o Criacionismo
- sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Back to Home Back to Top