Edinburgh, Escócia (Scotland)

- sexta-feira, 27 de agosto de 2010




Via: Flickr


Cada uma destas nuvens girando é resultado de um fenômeno meteorológico conhecido como vórtice de Karman (Karman vortex). Esses vórtices apareceram sobre a ilha de Alexander Selkirk, no sul do Oceano Pacífico. Subindo vertiginosamente a partir das águas circundantes, o ponto mais alto da ilha é quase uma milha (1,6 km) acima do nível do mar. Como as nuvens, através do vento, encontram esse obstáculo, o fluxo em torno dela forma esses grandes vórtices que giram.


A Prova de que Andhora é do mal... ou não.

- quarta-feira, 25 de agosto de 2010
Evil Finder é um script que usa uma engine trivial e um pequeno banco de dados de inteiros numerologicamente significativos - datas, números sagrados, símbolos para verificar se o nome da sua escolha é "realmente mau", quem sabe, talvez o próprio diabo... (Palavras do site).

Eu obtive o seguinte:



Logo, "Andhora Silveira Santos" é 21622.

Divide por 38, que é o símbolo da escravidão, o resultado é 569.

Multiplique o número por 006 - que é o símbolo da guerra, da direita para a esquerda. Dá 3414.

Multiplique o número por 002 - que é o símbolo da ganância, da direita para a esquerda. Dá 6828.

Soma 1934, o ano em que Shirley Temple estrelou seu primeiro filme - o resultado é 8762.

Subtrai 7791 do número - este é o ano em que Elvis Presley deixou o planeta, de trás pra frente. Dá 971.

Este número, lido da direita para a esquerda, é 1790, ou o ano em que o sistema de patentes foi criado nos E.U.A. (maaal)


Também tem essa possibilidade:

"Andhora Silveira Santos" é 21622.

Subtrai 1951, ano em que os Rosenberg foram condenados à morte por espionagem pelos E.U.A. O resultado é 19671.

Vira o número de trás para frente, e adiciona 1899 - ano que a "Scrabble" foi inventada para promover a violência e a raiva. Dá 19590.

Vira de trás pra frente, multiplique por três - o símbolo da realização. O número agora é 28773.

Vire de trás pra frente, divida por 18 - o símbolo da escravidão. O número agora é 2099.

Vire de trás pra frente, subtrai 21 - o símbolo do pecado maior. O número agora é 9881.

Este número, lido da direita para a esquerda, é 1889, ou o ano em que Adolf Hitler nasceu.

--

O site pode gerar diversos resultados para um mesmo nome. Verifique o quão mau você é. Clique aqui para acessar!

V de Vingança (V of Vendetta), 2005

- terça-feira, 24 de agosto de 2010

Grave of the Fireflies (Hotaru no Haka, 1988)

Dana Scully & Fox Mulder

Gillian Anderson e David Duchovny
♥♥

Edward Scissorhands (1990)

Que dinossauro você é?

- segunda-feira, 23 de agosto de 2010



Sou um Velociraptor!

Estas criaturas eram super inteligentes e ainda mais temidas do que o T. Rex. Eles viveram no período Cretáceo Superior. Atacavam com suas garras curvas e trabalhavam em bandos que poderiam derrubar quase qualquer outra criatura. É esperto e adora ser temido, além de ter um sistema controlado de ordem, até que aconteça um evento onde a ordem é perdida.

(You Scored as Velociraptor: You are a Velociraptor. These creatures were super intelligent and feared even more than the T.Rex. They lived in the Upper Cretaceous period. Attacking with their curved claws and working in packs they could bring down almost any other creature. You are smart and love being feared, and have a controlled system of order until it comes to an event when all order is lost.)


Velociraptor

88%
Archaeopteryx

75%
Spinosaurus

63%
T. Rex

50%
Diplodocus

25%


Capitão América

- domingo, 22 de agosto de 2010


Eu quero --
Eu preciso dizer algo às pessoas.
Onde eu estou, não vejo guerra. Eu vejo ódio. Vejo homens e mulheres e crianças morrendo --
Porque o ódio é cego.

Por que eu amo X-Files?

- sexta-feira, 20 de agosto de 2010
Arquivo X (X-Files) já faz parte da minha vida há 14 anos... Quais são as razões pelas quais a série de ficção científica/horror Arquivo X ainda continua sendo a minha favorita? "Obcecada" é provavelmente a palavra mais adequada para definir a minha devoção a esta série.


Foi triste quando Arquivo X acabou. Era excitante todo o mistério que a trama nos passava... E esse espírito fez dessa série brilhante em todos os sentidos. Obviamente, ela foi estendida bem mais do que deveria ter sido pelo fato de que a FOX queria lucrar até o último centavo com ela. Mas mesmo anos mais tarde, algumas pessoas, assim como eu, ainda são fãs.

Como também uma fã de LOST, muitas vezes me pergunto o que Arquivo X teria sido nesta era da internet, de jogos alternativos, realidades virtuais, etc., e ao mesmo tempo que pergunto, respondo: Teria sido incrível!!! Arquivo X é uma das melhores séries de ficção científica já produzidas para a televisão.

Mas o que fez de Arquivo X tão bom?

... Por onde começo?

Irei começar literalmente pelo começo: A sequência de abertura de créditos de Arquivo X. De alguma maneira, ela consegue ser assustadora e nos causar um sentimento de curiosidade ao mesmo tempo. A imagem apontando para um UFO: arrepiante. A estranha marca digital da mão que "brilha"; o disco iluminado; o homem gritando; os ácaros, poeira, esporos, algo do tipo? Confuso. O fantasma andando pelo corredor... As fotos de Fox Mulder e Dana Scully nos crachás
do FBI... depois vem aquela figura branca flutuante feita com segmentos e um dedo vermelho. Sério, que diabos é aquilo? ... o olho gigante pestanejando: assustador. E quanto a marcante e brilhante trilha sonora? Soa exatamente como um alienígena assobiando. Semana após semana, estas imagens aleatórias de algum modo nos preparou para uma espirituosa, assustadora e bizarra sequência de eventos.


O sinistro homem que fuma cigarros, conhecido como "O Canceroso". O Canceroso capturou e encarnou na nossa imaginação e nas nossas ansiedades sem fazer muito esforço. Ele se escondia,
sorria e, claro, fumava. O Canceroso mal teve qualquer tipo de diálogo na primeira temporada. Alto, magro, com uma tendência a manter os olhos quase fechados, ele tinha contatos com as operações obscuras que prejudicavam Mulder em suas investigações, mas não se sabe ao certo se ele os estava ajudando ou dificultando. No episódio final do segundo ano, ele revela seu segredo mais profundo até o momento: O Canceroso era muito amigo do pai de Mulder, William Mulder. Durante uma conversa bastante tensa, o Canceroso reclama por estar protegendo Mulder. Mesmo quando mais tarde ele próprio fala com Mulder, ele responsabiliza Bill Mulder por autorizar "o Projeto" que Mulder está prestes a desvelar...
Trocar a esposa por um feto alienígena? Bem, o segredo não irei contar aqui, mas adoro pensar no Canceroso como o conheci: a manifestação silenciosa, sem nome, pai da nossa paranoia.

Ahhh... Cliffhangers...

Finais de temporadas impressionantes como Mulder sendo tido como louco e preso em um hospício, ou quando Scully descobre versículos da Bíblia gravados em um UFO, ou com Mulder sendo abduzido por alienígenas, ou quando Mulder aparentemente explode em um vagão cheio de cadáveres alienígenas. Boooooom! "Vejo vocês em quatro meses!" Cliffhangers era a maneira preferida dos produtores de Arquivo X terminarem a temporada. Arquivo X se destacou por nos deixar na mão por dias, semanas ou meses em petição de ansiedade.



A Mitologia por trás de Arquivo X!

Não é fácil dar às histórias de conspirações alienígenas credibilidade. Sim, a série entrou em colapso sob o peso da mitologia, mas no início, estes episódios eram estabelecidos e explicados pelas razões de Mulder. Eles eram tão cheios de ação e suspense como qualquer outro thriller político, que inspirou-nos e permitiu-nos reconectar e dar novas interpretações para o fenômeno UFO. Arquivo X mudou concepções. O velho clichê sobre homenzinhos verdes e discos voadores foi transformado em algo novo que cativou e aterrorizou até mesmo o mais cético dentre nós.

O Monstro da Semana!

A obsessão de Mulder pelo inexplicável pode ter começado com UFO's, mas posteriormente surgiram demônios, espíritos, monstros mutantes que se tornaram presa igual em sua caçada pela verdade, juntamente com Scully. Os "monstros da semana" foram o combustível para a série e para os meus pesadelos na década de 1990. Pequena, eu nunca sabia que tipo de horror me aguardava: Garotinhas-clones homicidas, vermes gigantes sanguessugas, escola satânica, programas de computador assassinos, e diversos perigos e vilões improváveis surgiam para os nossos heróis de enfrentarem. Arquivo X se atreveu a explorar as profundezas mais obscuras da frase "E se ..." que foram introduzidas por criaturas inesquecíveis, como o homem que se alimentava de fígado de pessoas e que se arrasta por banheiros e saídas de ar para perseguir sua presa humana e depois hibernava em um ninho repulsivo feito de jornais e bile (o lendário Eugene Tooms). O monstro da semana me deu muitas boas noites de TV, e custou-me algumas noites de sono.

O Nascimento dos Nerds Legais (...ou Geeks, se preferir)!

Arquivo X foi uma série sobre nerds, feito por nerds, para o gozo dos nerds. Ambos os personagens principais eram viciados em livros, viciados no trabalho, "sabe-tudo", que estavam tão concentrados em atividades intelectuais que na maioria das vezes, nem percebiam o quanto eram incrivelmente atraentes. Eles também passavam muito tempo coletando informações com "Os Pistoleiros Solitários" (que até ganharam série própria), um trio de nerds que especulava sobre teorias da conspiração, invadiam arquivos secretos do governo e digitalizavam na Internet para notícias obscuras, e postavam em fóruns sobre as imprecisões científicas. Eles eram muitas vezes apoio nas investigações de Mulder e Scully, na medida em que eram convocados a reunir e transmitir informações.


Scully!


Sim, ela é bonita e sim, ela é inteligente, mas não se enganem: Dana Katherine Scully é muito bruta! Sua resposta pra tudo é com a arma na mão, claro. Scully é destemida, sempre está defendendo a vida e a carreira de Mulder, mesmo com o risco de perder a sua própria, além do mais ela sempre está dando um fora ou um cala-boca em algum homem. E ela faz tudo isso no salto alto. (Quero ser Scully quando crescer...)


Ahhh... Mulder...

Fox Mulder é o primeiro a dizer! Ele tem senso de humor em tudo, mesmo no trabalho e na vida: "Eu vejo a vida neste planeta Scully, e é exatamente por isso que estou procurando outro lugar". Nenhuma situação é suficientemente terrível ou repugnante: Mulder sempre mantém a linha. Mesmo com um passado tão tortuoso, ele ainda consegue ver o lado bom das coisas, sem deixar de lado o seu sarcasmo e sua irreverência.

A Relação de Mulder e Scully!

O relacionamento entre os agentes Mulder e Scully foi uma das amizades mais envolventes e complexas que já vi. Eles são, obviamente, duas pessoas com filosofias diferentes (o cético racional e o intuitivo crente) mas isso não foi utilizado como um obstáculo previsível para os seus ideais em comum. Os dois foram rapidamente unidos através da partilha de experiências extremas: o insondável, raptos, doenças, morte na família. Percebemos entre os dois profundo respeito e carinho mútuo. A relação fica mais confusa quando Scully demonstra ciúmes de Mulder e é notável a admiração que ambos demonstram um pelo outro.
Em última instância, nada disso importa. A melhor parte desse romance duradouro já foi dita: semana após semana, através da ação corajosa, olhares significativos, horas de debates pensativos e provocações brincalhonas. Monstros e alienígenas são assustadores o suficiente, mas Mulder e Scully descobriram um mistério ainda mais assustador e indescritível em sua busca pela verdade: a natureza e a existência do amor, e o sacrifício que fazemos quando amamos alguém.

- quinta-feira, 19 de agosto de 2010


Mulder: Em nossas investigações, nem sempre concordam comigo, mas pelo menos você respeita. Se você quiser continuar a trabalhar com eles, eu não vou impedi-la.

Scully: Eu não sei, deve ter existir algo a mais do que sua interpretação do polígrafo para apoiar esta teoria bizarra e eu tenho que ver o que é.


Dana Scully & Fox Mulder (Gillian Anderson & David Duchovny)

X-Files: Forever ♥





MULDER: Por que você não me contou?

SCULLY: Porque eu não queria acreditar. Porque eu não quero acreditar!

MULDER: É por isso que você veio comigo? Para provar que não era verdade?

SCULLY: Não, eu vim aqui porque você me pediu.

MULDER: Por que você não pode ser honesta comigo?

SCULLY: O que você quer me dizer? Que você está certo, e que eu devo acreditar mesmo sabendo que isto não é verdade? Isso é o que você quer?

MULDER: É isso o que você acha que eu quero ouvir?

SCULLY: Não.

MULDER: Você pode acreditar no que você quiser, Scully, mas você não pode esconder a verdade de mim, porque se fizer isto, então você estará trabalhando contra mim... e contra você mesma. Eu sei que você está com medo. Eu também tenho medo.

SCULLY: O médico disse que eu estava bem.

MULDER: Eu espero que essa seja a verdade.

SCULLY: Vou para casa.


- quarta-feira, 18 de agosto de 2010


O que espero, acima de tudo é que você entenda o que eu quero dizer quando digo que mesmo sem te conhecer, e mesmo que talvez jamais conheça você, ria, chore, ou beije você, eu amo você. Com todo meu coração, eu te amo.

V de Vingança (2005)
- terça-feira, 17 de agosto de 2010

Kick-Ass (2010)











Por que eu amo Física?

Alguém uma vez me disse que eu era uma maluca. Tudo bem, eu posso lidar com isso.

A razão pela qual me fizeram essa declaração foi porque eu adoro Física. A pessoa me disse que só um maluco poderia amar "isto". Bem, então eu sou uma maluca. Durante todos esses anos, a única coisa que me mantém sã é a Ciência.

Por que eu amo Física?


Física é o estudo da natureza. Quão ampla e bonita é. É a base para todas as ciências que estudamos, desde Química até a Biologia. Com o conhecimento da Física, você pode ser um astronauta, um designer de foguetes, um oncologista (saber o quanto de radiação é necessária para desencadear um tumor), um engenheiro elétrico, um cientista da computação,... um ganhador do Prêmio Nobel.

Amo Física porque com ela posso mergulhar na natureza de como as coisas funcionam. Não que apenas a Física irá explicar tudo, potencialmente, sozinha. Não que ela seja a mais satisfatória de todas as ciências. Não que ela seja a principal. Mas se seu objetivo é alcançar uma compreensão profunda de qualquer outra ciência, o estudo da Física será necessário. É uma vergonha que muitas ciências tenham se afastado da Física.

Vejamos o fenômeno do tunelamento: Neste caso, um elétron vai de encontro a uma parede e pode aparecer do outro lado dela (insano?). Agora, imagine uma bola bater em uma parede de tijolos. Quais são as chances dessa bola atravessar a parede? As chances são poucas. Mas isso porque o comprimento de onda de De Broglie de uma bola é muito pequeno. O comprimento de onda de De Broglie para um elétron, possui ordens de magnitude bem mais superiores. E adivinhem: O elétron acaba atravessando a parede, na maioria das vezes. Isso permite que muitos dos nossos dispositivos tecnológicos funcionem.

A Física me mostrou que as possibilidades são infinitas. A Mecânica Quântica afirma de fato que todas as coisas que poderiam acontecer, acontecem no universo. Portanto, há uma chance de 100% dos eventos ocorrerem, apesar de ter uma baixa probabilidade associada a eles, separadamente.

No mundo Físico, tudo está sujeito a passar por um renascimento (morrer e nascer novamente). No universo nada é desperdiçado. Tudo está sempre mudando e se transformando. Se tudo permanecesse o mesmo de sempre, o universo seria estático e maçante.

... Bem, não irei embarcar todas as minhas reflexões sobre a Física aqui neste post. Mas sou uma apaixonada pelo assunto e acredito na Ciência. Existem muitas questões interessantes que surgem a partir do conhecimento dela, o que só aumenta a emoção e o mistério.

Ahhh... Mistérios...

Incrível Coleção de Reflexões de Capacetes Espaciais

- sábado, 14 de agosto de 2010



Você consegue identificar as fontes das imagens? Eu não. Só algumas, mas eu achei incrível esta ideia.

Minhas impressões: 2001 - A Space Odyssey (2001 - Uma Odisseia no Espaço)

Sempre quis escrever um pouco sobre esse filme (do qual já assisti umas 6 vezes) e compartilhar com vocês minhas impressões acerca desta obra-prima.

Desde que foi lançado em 1968, muitas pessoas vêm discutindo à respeito de como interpretar 2001: Uma Odisseia no Espaço, um romance de Arthur C. Clarke, dirigido pelo cineasta Stanley Kubrick e produzido pela MGM.

Tal discussão é apropriada, levando-se em consideração que o filme trata do quebra-cabeça mais intrigante da vida: o mistério da própria vida, e acredito que, após uma análise rigorosa da estrutura, do movimento de todas as partes em que o filme é disposto, poderemos chegar a uma conclusão.

Temos que ter em mente que Kubrick alegoriza o filme com provas que possuem o intuito de representar o processo de criação da vida.

The Dawn of Man (A Aurora do Homem):

Nesta primeira parte do filme, são apresentadas criaturas semelhantes aos símios. Eles vivem em bandos e disputam território e comida com um outro bando que é superior em virtude do número de membros que o compõe, e que sempre ganhava nas disputas. Pode-se dizer que esta é uma existência estática, pois eles aparentam não apresentar nenhum nível de consciência ou racionalidade. Então, um belo dia, o bando menor se depara com um estranho monolito. Isso desperta curiosidade e espanto entre eles, que se espremem e tentam de alguma forma descobrir o que é aquele objeto estranho que surgiu no "mundo" deles. Enquanto isso, percebemos que a câmera de Kubrick dirige o nosso olhar para cima do monolito, e de cima temos a visão do que seria um nascer do sol em contraste com a lua.


O que o monolito faz inspirar, porém, é o progresso da tecnologia. Pouco tempo depois, esse bando menor descobre as armas - que neste caso, em primeiro lugar, é representado por um simples osso. Motivados pelo impulso instintivo que aparentemente o monolito despertou neles (claro que o corte proposital na cena em que o bando admira ao monolito e logo em seguida a apresentação do hominídeo com o osso, nos intui a sua utilidade destrutiva), os seres hominídeos do pequeno bando adquirem uma vantagem sobre o bando maior e passam a ganhar as batalhas por disputa de território. Este é o primeiro progresso feito pelo homem, e esta é a base de todo o filme: o monolito sempre inspira o progresso, e o progresso se dá através de uma marcha para os seres humanos serem excluídos e excludentes entre si a partir do território, até, que em última instância, reste apenas um.


Dezenas de milhares de anos mais tarde, Dr. Haywood Floyd, um americano, está em sua viagem para Clavius, uma base lunar dos Estados Unidos. Já na base, ele encontra um grupo de russos que ele conhece. (Veja só: A Guerra Fria era uma realidade no período de lançamento do filme.) Ele se senta com eles e, depois de uma conversa superficialmente pequena, porém amigável, ele é questionado sobre o que está acontecendo em Clavius, pois durante 10 dias sem contato telefônico foi negada a autorização para que um foguete russo aterrizasse em Clavius, e isso era uma violação do direito internacional lunar. Os russos comentam que há rumores de uma epidemia grave e estavam ansiosos por qualquer informação, pois estavam preocupados que a epidemia pudesse se espalhar. Floyd afirma, educadamente, que não tem a liberdade de discutir o assunto e pede licença. Logo depois, entendemos a verdadeira razão para que o status da base fosse "incomunicável": o monolito foi descoberto. O rumor da epidemia era apenas para despistar.

Assim, logo percebemos que nesta era moderna, os seres humanos, motivados novamente pelo monolito, criaram novas maneiras pelas quais pudessem excluir um ao outro. Embora sabemos que esse sentimento humano de exclusão não é motivado por um "monolito", mas sim que faz parte da nossa natureza, Kubrick apenas pretende documentar e representar as exclusões pertinentes e particulares para todo o caminho que a história humana, neste filme, abre.

O universo retratado em 2001: Uma Odisseia no Espaço é determinístico e, assim, faz de tudo para servir o seu último fim de que, como veremos, o homem é transformado quando ele, sozinho, alcança o território final (seu objetivo). Não é necessário elucidar que o determinismo que Kubrick utiliza no universo do filme, tem unicamente como fim retratar a existência humana.


Missão Júpiter: 18 meses depois:




Nesta parte do filme, são apresentados David Bowman, Frank Poole, três tripulantes "hibernando" e o computador HAL 9000 (considerado o sexto membro da tripulação) que estão indo em missão à Júpiter. Os tripulantes desconhecem a razão real da sua expedição à Júpiter, com exceção de HAL. O objetivo da missão é investigar a área próxima a Júpiter, uma vez que um pulso de rádio único e poderoso do monolito foi direcionada a Júpiter. Então, agora, o monolito, mais uma vez, inspira o homem tanto a implementação da tecnologia e, eventualmente, através da tecnologia, dar um passo além da lua em direção ao seu destino final.
O monolito obriga o homem a usar sua tecnologia para dar o próximo passo. Assim como a inspiração do monolito foi suficiente para mover a humanidade para a lua, também será essa inspiração que fará o homem se mover para mais além (ou seja, as emissões de rádio emitidas pelo monolito voltadas para as proximidades de Júpiter).

Uma vez perto de Júpiter e, mais significativamente, do monolito (como descobrimos mais tarde), HAL (que [é preciso ter em mente isso] é comparado aos seres humanos) começa a "excluir" os membros da tripulação: primeiro matando Poole e, em seguida, desligando as máquinas que controlavam as funções vitais dos tripulantes em hibernação. Tal ação de Hal é justificada devido ao fato de ter cometido uma falha e os tripulantes David e Frank tinham decidido desconectá-lo. Hal apresenta sentimentos humanos, como orgulho, ambição, medo, mas falha em seus esforços para eliminar David, que consegue desligá-lo. Assim, o destino para qual o monolito leva o homem é mais uma vez explicitado: um homem só permanece.



Júpiter e Além do Infinito:

O comportamento de HAL é parte integrante do destino final do homem, simplesmente pelo fato do funcionamento da máquina determinística, que é o universo do filme, e sua função é a mesma de todas as outras funções nesse universo: que é chegar a um destino final. A razão é inescrutável, mas a motivação é representada pelo monolito; o homem obedece cegamente seu ímpeto, sem pensar na realização do plano traçado para ele. Na visão de 2001, os seres humanos funcionam como milhares de espermatozóides, inconscientes, impelidos a um destino final, a fim de iniciar o novo ciclo de vida de um ser humano único e uma vez que atinge o seu destino final, ele se transforma.

Assim, David Bowman atinge o destino final e é transformado. No momento dessa transformação cientificamente inescrutável, Kubrick desencadeia uma deslumbrante exibição de pirotecnia visual que, embora não admite desmistificação, indica claramente que algo milagroso e além do nosso entendimento ocorre.



Esta é a sua maneira de retratar o mistério da vida. A partir deste ponto, David Bowman, é alterado e reside em um novo domínio, com idade avançada, e encontra-se em um novo ambiente. Então, finalmente, o monolito aparece novamente. Desta vez, porém, não existe tecnologia ou uma necessidade, ou alguém a ser excluído. Em vez disso, ele simplesmente indica a etapa final que David deve fazer (e, ao contrário de antes, nem sequer existe a ilusão do livre-arbítrio, o seu ciclo de vida está claramente em seu fim).



É então que o fim da existência humana gera a existência: ele se torna um feto! Kubrick retrata isso literalmente. A partir daqui, o desfecho é curto: o feto, quase completamente desenvolvido, é levado ao seu novo mundo. Este mundo, aparentemente, é a Terra.




Evidentemente, o fato de que há um processo pelo qual a vida nasce é axiomático e não precisa ser estabelecido. O filme é pertinente em sua exemplificação da possibilidade de ilustrar a existência de um fenômeno sem esclarecer os seus mistérios, e isso é o que Kubrick fez: ele não conhece a força que impulsiona a vida e nem tenta explicá-la, no entanto, como todos nós, sabe que há uma força e um processo pelo qual esta força se manifesta. Kubrick representa a existência desta força (com o tributo adequado para o seu mistério impenetrável) e exemplifica este processo de uma forma perfeitamente adequada: a criação de uma única existência humana que representa toda a história da existência como um inteiro. É uma simetria. Uma circularidade. Um ciclo perfeito que ilustra o que seria a lógica do universo: uma verdadeira Odisseia.

Medidor de Trilogias

- terça-feira, 10 de agosto de 2010


Este é um excelente resumo das trilogias de filmes, feito por Dan Meth. Naturalmente, estas são as suas opiniões e todos nós temos as nossas próprias, mas a representação visual é fantástica!

Eu acho que o terceiro "De Volta para o Futuro" é melhor que o segundo. Tirando isso, eu concordo com a maioria das classificações para os filmes aqui.


Gimli: Nunca pensei que eu ia morrer lutando lado a lado com um elfo.
Legolas: E quanto ao lado de um amigo?
Gimli: É. Eu poderia pensar assim.


Sam: Eu fiz uma promessa, Sr. Frodo. Uma promessa. "Você não irá deixá-lo, Samwise Gamgee." E eu não quero. Não quero.
- sábado, 7 de agosto de 2010


Kick-Ass (Aaron Johnson) & Hit Girl (Chloe Moretz) - (aka Dave Lizewski e Mindy Macready)



Kick-Ass: Se você já viu o filme, você deve ler os quadrinhos...

ÉPICO!

Back to Home Back to Top